Cirurgia reparadora

Boletim 173 / Cirurgia reparadora

Uso da terapia à vácuo em complicação de mamoplastia redutora – Relato de caso

As feridas complexas abrangendo o tecido mamário são um problema significativo em termos de eficácia de tratamento e morbidade secundária. O beneficio da terapia à vácuo na cicatrização de feridas abertas é claro, no entanto a utilização desta abordagem especificamente em complicações de cirurgia mamaria não é comum. Apresentamos um caso de infecção e deiscência de ferida após uma cirurgia de mamoplastia redutora tratado mediante desbridamento e utilização de terapia de pressão negativa com sucesso. Este curativo foi importante como adjuvante para controlar o processo infeccioso e para diminuir ao mínimo a necrose local e perda de sustância. Desta forma, manteve-se a forma natural da mama e simetrizou-se com a mama contralateral de maneira simples, dispensando a utilização de outros procedimentos com maior morbidade. Esta abordagem minimamente invasiva demostrou ser um método eficiente, seguro e que manteve os padrões estéticos neste paciente, apresentado-se como uma alternativa terapêutica válida nas complicações de cirurgia mamaria.

Leia mais
Boletim 170 / Cirurgia reparadora

RELEMBRANDO: Reconstrução de Polegar

Os autores apresentam um estudo das lesões do polegar e suas características anatômicas funcionais.Nas perdas mais extensas utiliza-se retalhos torácicos ou tóraco-abdominais, seguidos de enxertia óssea quando necessário. Chamam a atenção para o fato de que, quando proposta a localização, nenhum paciente a aceitar, em virtude do aspecto que viria ter a mão após a cirurgia.

Leia mais
Boletim 171 / Cirurgia reparadora

Reconstrução de orelha após amputação traumática

Leia mais
Boletim 166 / Cirurgia reparadora

RELEMBRANDO: Queratoacantoma

Os autores relatam 7 casos de queratoacantoma, tumor cutâneo confundido histologicamente com carcinoma epidermoide. Tecem comentários acerca da diversidade de opiniões a respeito de sua etiologia.

Leia mais
Boletim 166 / Cirurgia reparadora

Hérnia gordurosa subconjuntal

Leia mais
Boletim 166 / Cirurgia reparadora

Relato de Caso de Reconstrução Nasal em Paciente com Carcinoma Basocelular

O Carcinoma basocelular (CBC) é o câncer de pele mais comum, sendo o subtipo nodular o de maior incidência. A modalidade terapêutica padrão ouro de tratamento é a exérese cirúrgica, devido a sua facilidade de execução e alta efetividade. Em pacientes com lesões nasais complexas como a do caso relatado no presente artigo, a exérese e reconstrução nasal por meio de confecção de um retalho, além de ser um tratamento potencialmente curativo, pode proporcionar alta satisfação com o resultado estético ao paciente.

Leia mais
Boletim 165 / Cirurgia reparadora

RELEMBRANDO: Fissura palatina – nova abordagem cirúrgica

Os autores apresentam 8 casos de fissura palatina submucosa. Analisam seu quadro clínico, diagnóstico e alterações histológicas. Propõem um novo tipo de tratamento cirúrgico par esta deformidade, baseado nas alterações anátomo-fisiopatológicas da fissura palatina submucosa.

Leia mais
Boletim 163 / Cirurgia reparadora

RELEMBRANDO: Tratamento dos tumores do dorso nasal

O princípio de que não se deve combinar resseção de tumor com cirurgia estética é aqui contrariado, tendo em vista que o abaixamento do nariz facilita o fechamento da ferida. O autor sênior atribui grande importância ao complexo dorso-ponta na manutenção do equilíbrio harmônico do nariz, e os resultados obtidos são bastante bons, obtendo-se a cura do paciente e mantendo-se a sua aparência normal. Apresentam ainda os autores um estudo estatístico dos tumores nasais realizados em conjunto com o Serviço de Patologia da Clínica Ivo Pitanguy.

Leia mais
Boletim 162 / Cirurgia reparadora

RELEMBRANDO – Tratamento das fissuras labiais bilaterais: observações de resultados obtidos pelo uso de técnica pessoal

Os autores apresentam um estudo das fissuras labiais bilaterais analisando sua formação embriogenética e suas características anátomo-funcionais. Destacam as profundas repercussões psicológicas, sociais e econômicas da patologia, que tende a marginalizar seus portadores, criando sérias barreiras para o posicionamento de personalidade e social. Através da análise de 699 casos de fissuras labiais observados na 38a Enfermaria da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e da Clínica Ivo Pitanguy, constatou-se que 164 (24%) eram portadores da patologia bilateralmente. Evidenciou-se que mesmo nas classes menos favorecidas o problema assume proporções tão importantes que forçam a procura de recursos médicos precocemente Fazem citações das técnicas cirúrgicas existentes, salientando que para estas o prolábio é sempre o elemento mais importante. Na técnica preconizada, a correção é feita num único tempo cirúrgico, às custas das vertentes laterais que são saturadas na linha média e ascensão de retalho bifurcado do prolábio que vai constituir a columela e soalhos narinários. O princípio básico reside na estruturação de uma cinta muscular efetiva e funcionante, que agindo sobre a premaxila, forma uma faixa elástica de contenção muscular aos vetores de avançamento do vômer, da língua e da expansão da arcada dentária. Obtém-se resultados fisiológico que favorecem em crescimento harmonioso do maciço facial. Observam a evolução dos casos, inicialmente de adultos, avaliando sua aplicabilidade em crianças, facilitando sua readaptação, uma vez que há diminuição do trauma cirúrgico e psicológico. Apresentam esquemas e fotografias, analisando as vantagens da técnica, sua variante, destacando-se a redução do número de cirurgias e sua simplificação, além do fato de se constituir num procedimento de bases anatômicas, funcionais e estéticas muito sólidas.

Originalmente publicado no Boletim de Cirurgia Plástica n. 26, parte da Revista Brasileira de Cirurgia n. 65, jul/ago 1975.

Leia mais
Boletim 161 / Cirurgia reparadora

Atrofia hemifacial progressiva (Síndrome de Parry-Romberg): análise de 12 anos de tratamento no Instituto Ivo Pitanguy

Leia mais
1 2 3